sexta-feira, 1 de outubro de 2010

Das coisas mais simples...


Quantas vezes você não precisou conversar com amigos e se utilizou de meios cibernéticos para fazê-lo? Eu particularmente já perdi as contas de quantas vezes já fiz isso, é mais praticamente, e certamente mais econômico que ir até a casa da pessoa, mas às vezes eu me pego me perguntando até que ponto isso é tão vantajoso assim, é obvio que a internet é um elemento diminuidor de distancias, mas ao mesmo passo que ela diminui será que ela não aumenta distancias?
Quando se está na internet, a China pode estar a um clique de distancia, mas ao mesmo tempo em que ela diminui distancias geográficas, pode aumentar, até mesmo tornar intransponíveis, as distancias sentimentais... Como assim? Um exemplo simples e corriqueiro: Passamos o dia trabalhando, ou estudando, chegamos em casa cansados, esgotados física e sentimentalmente, ansiando por um pouco de paz e tranqüilidade, querendo jogar um pouco de conversa fora, quem sabe tomar uma cerveja e depois ir dormir relaxado e feliz... E o que você faz para atingir seus objetivos? Liga pra o namorado (a), ou um amigo, ou, o que é mais provável, entra na internet e conversa com o namorado (a), ou amigo, depois disso vai dormir descansado e talvez a até mesmo feliz... Alguns anos atrás, você chegaria do trabalho e talvez fosse para casa do vizinho conversar, tomar uma cerveja, dançar, e depois disso ir dormir.
Outro exemplo simples: É quando algum professor da faculdade passa um trabalho em grupo, e a primeira coisa que se pensa é dividir os tópicos do trabalho entre os membros do grupo, cada um fazer a sua parte e enviar por e-mail para os outros, o que é obviamente bem mais simples e prático, isso sem contar que economiza toda uma tarde que seria perdida pra fazer o trabalho na casa de alguém, no entanto ao mesmo tempo em que se “economiza” uma tarde, se perde toda uma tarde de lembranças de emoções e experiências únicas.
O que estou querendo dizer com esse texto não é que paremos de usar a internet e voltemos à era da pedra, até porque isso seria uma super hipocrisia vindo de alguém, como eu, que passa boa parte do dia em frente a um computador, apenas gostaria de relembrar o valor das coisas simples, que sem duvidas em muito momentos são muito mais prazerosas.
video

5 comentários:

  1. Parabéns, este texto está perfeito.

    ResponderExcluir
  2. Gostei muito desse texto...interessante!

    ResponderExcluir
  3. HAHA... Depende muito... a Internet facilita muito a nossa vida, eu admito, mas em momento algum suprirá a necessidade de estarmos ao lado daquela pessoa, de conversarmos tocando-a, sentindo seu cheiro, sabendo que ela está ali com a gente. Ajuda um pouco sim, mas não é o essencial para nós. =D Gostei bastante do texto, parabéns.

    ResponderExcluir
  4. Voltemos aos pedregulos?
    Nãaaaaaoooooooooo *medo violento*
    Parabéns, pequena, adorei.

    ResponderExcluir
  5. Um grande amigo meu, o JP, pediu pra acrescentar o comentário dele aqui, e eu como boa amiga e escrava-aluna (interna), atendi seu pedido, então ai vai o comentário:

    Este texto me faz lembrar de minha amiga Jel que há quatro anos me acompanha para tudo quanto é canto que vou. Neste ano nós nos afastamos por estarmos, enfim, em turmas diferentes na faculdade. É só nos encontrarmos no msn que surgem os tópicos de nossas novidades - que por mais pequenas que possam parecer, para nós são essenciais. Falamos se cortamos o cabelo, ou se estamos assistindo uma série nova, que música ouvimos ontem... etc. Mas quando o assunto fica sério, surge a frase "preciso te ver. Só dá pessoalmente". Até mesmo aqueles assuntos que eu contei pra todo mundo via msn, ou que tenha sido ela que fez, quando se trata de nós dois... tem que ser em carne e osso. A internet pode ser uma maravilha, só não podemos esquecer o quão palpável é a pessoa com quem conversamos. Ótimo texto.

    ResponderExcluir